Cirurgia de Retina e Vítreo

Roberto Abdalla Moura *
Edmundo A. D. Soares **

Vitrectomia 25-gauge

Uma nova técnica de cirurgia vítreo-retiniana pouco a pouco se firma e estabelece suas indicações para tratamento da patologia dessa área em questão.

Estamos falando da vitrectomia 25-gauge, que nada mais é do que uma vitrectomia do tipo convencional feita com instrumentos muito mais finos e de muito menor diâmetro, cerca de 50% menos do que os instrumentos convencionais.

A maquinária de vitrectomia também precisa ser atualizada para poder atender a demanda diferente da entrada e saída de fluidos.

Os benefícios são vários, mas para o paciente o melhor é a recuperação anatômica e funcional que são muito mais rápidas , com um pós-operatório muito mais tranqüilo.

Como os problemas retinianos afetam, via de regra, pacientes idosos, alguns com problemas sistêmicos tais como diabéticos,degenerações, inflamações, etc ou problemas locais, oculares, como alta miopia,buraco macular,etc.,essa recuperação mais rápida é bem-vinda.


Como realizar a cirurgia 25 gauge.

Não se fazem aberturas conjuntivais e da cápsula de Tenon; a penetração da esclera é direta, através de estiletes muito finos, que funcionam com um sistema de “trocar”, que permite a entrada e saída dos instrumentos necessários para se fazer a vitrectomia e manipular a retina, todos de calibre 25 gauge.Após a retirada do trocar não há necessidade de pontos ou suturas, outro fator de irritação conjuntival.


Complicações

As complicações são as mesmas das vitrectomias convencionais, ou seja, infecção, hemorragias,etc.

Deve-se tomar cuidado para não haver vazamentos nas esclerotomias ( leakage ) mas existem manobras especiais para diminuir esse tipo de problema.


Indicações-

As principais são as vitrectomias não complicadas ou menos complexas, porque os instrumentos são mais finos e flexíveis e exigem uma curva de aprendizado para a optimização do seu desempenho.

Buraco macular, membranas epirretinianas, hemorragias simples não absorvidas e descolamentos de retina mais simples, sem PVR são patologias que se prestam para a utilização inicial da técnica de 25- gauge.

É uma técnica que veio para ficar e concorrer com a vitrectomia de 23-gauge , já bastante utilizada na Europa e um pouco menos nos USA.
 

 * Presidente da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo
Fellow do American College of Surgeons e da American Academy of Ophthalmology
Diretor da BH Olhos, Clínica Oftalmológica

* * Membro Internacional da American Academy of Ophtalmology,
Membro Titular pela Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo,
Diretor da BH Olhos, Clínica Oftalmológica.